As mulheres leem mais que os homens

As mulheres lêem mais que os homens no Brasil. Agradeço a todas as mulheres, sem elas minhas andanças não teriam ido pra frente.
Homenagem a todas as mulheres de nome Ana:
Já está em desenvolvimento o meu novo trabalho literário “A arte de vender.” O livro fala da dificuldade dos autores roraimenses em colocarem o seu produto no mercado, traz também fatos engraçados relacionados à venda dos livros. Fui ao encontro dos nossos futuros leitores utilizando a metodologia popular do corpo a corpo. Esse contato pessoal além de prazeroso aproxima o escritor e o leitor. Esse encontro nos faz amigos e, essa amizade que surge todos os dias é a que impulsiona o caminho literário de todos nós que vivemos desta arte. Não sei se por intercessão da minha mãe que se chamava Ana, me impressiona a quantidade de Anas que adquirem os nossos livros. Como a palavra Ana rima com todos os outros nomes femininos, quero agradecer a todas as outras, com outros nomes, que também nos prestigiam. O meu novo trabalho traz um texto em homenagem às mulheres de nome Ana. Ana é provavelmente um dos nomes mais comuns em todos os continentes. Vem do original em hebraico Hannah, mais tarde do Latim Anna, que quer dizer “graciosa, cheia de graça”.
Trata-se, sem dúvida, de um nome carinhoso que traz consigo a qualidade da mulher graciosa, cheia de graça, abençoada, iluminada, bonita, simpática, cheia de gentileza. No Brasil, Ana é um nome bastante comum, assim como sua variante Anna. Ana é um dos nomes bíblicos mais escolhidos pelas pessoas, principalmente pelos evangélicos, que costumam batizar seus filhos com nomes retirados da Bíblia. É um nome que nunca cai de moda. Normalmente, o nome Ana se apresenta na companhia de outros, formando nomes compostos, como por exemplo; Ana Maria, Ana Bela, Ana Clara e o nome de minha mãe, Ana Hilária…
ANA HILÁRIA: As lembranças da minha mãe retrocedem no tempo e na minha mente. São muitas as lembranças da minha mãe. Ela foi um presente de Deus na minha vida. Lembro neve de um acontecimento que marcou a minha vida para sempre:
Quanto encanto e quanta magia produzem aqueles flocos gelados que caem flutuando como se brincassem no espaço. Eu tinha dez anos quando abri a janela e me deparei com aqueles flocos formados por cristais de gelo. Não me contive e, sai gritando chamando por minha mãe.
– Mãe, Mãe, vem aqui, ligeiro… Olha! está caindo geada.
– Não é geada, meu filho é neve.
E assim passamos a brincar naquele mundo branco gelado. Foi uma festa na pequena vila de Selbach. O dia todo nevou. A minha mãe e eu fizemos uma festa, maravilhosa, inesquecível.
Um dia a neve gelada dos tempos chegou silenciosa e levou minha mãe. Todos nós deixaremos esse mundo um dia. Acredito que a morte seja a continuação da vida, hoje a minha mãe vive em outro lugar. Às vezes, no silêncio das minhas noites, penso que e a minha mãe está sentada lá num cantinho do céu proseando com o meu pai, cevando o chimarrão e zelando por todos nós.
A minha mãe de tantos sorrisos um dia chorou. Tentei enxugar algumas lágrimas dela, mas, no correr do tempo provoquei outras. Ela foi uma guerreira, como são todas as outras mulheres. Semeou felicidade nos jardins da vida.
Todos que quizerem adquirir os nossos livros, continuaremos enviando os livros pelos serviços postais. 95- 98112 3370
Visitem meu site: euclidesjunges.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *